mudanças

Fiz antes dos trinta: 05/29

Eu disse que estava com algumas coisas atrasadas nessa lista, então resolvi começar pela mais “antiga”: mudar completamente minha rotina.

joaoramalhosa
Passeio no meio da tarde pela cidade, para aproveitar o sol e resolver coisas à pé: pode sim!

Já falei aqui sobre como decidi sair da agência, voltar para Santo André e repensar minha vida. Mudança maior de rotina do que essa não poderia ter acontecido e, olha: tô adorando. Gosto muito da minha nova rotina. Acordo, organizo um pouco minhas tarefas, corro, trabalho um pouco, faço almoço, trabalho mais e de noite descanso. Tudo isso sem sair de casa, podendo mudar os planos do dia caso dê vontade de fazer alguma coisa diferente, podendo fazer tudo no meu ritmo.

Risquei com gosto essa da lista! :D

O que já risquei da lista:
01 – Aprender a fazer geléia
02 – Fui ao teatro
03 – Ser madrinha da Mari
04 – Doar sangue

E como tem sido?

Essa é a pergunta que mais tenho ouvido ultimamente. “Como está a vida nova?”, “Como tem sido a mudança?”… e tudo o que tenho a dizer é que tem sido bem bom.

Para falar a verdade, a vida nova realmente só começou há uma semana. Finalmente entregamos as chaves do apartamento antigo, terminamos de arrumar o apartamento novo, resolvemos um monte de coisa que estava pendente.. só agora consegui parar e ter tempo para respirar essa mudança. E está sendo uma delícia.

large

É estranho, mas tem sido bem diferente do que achei que seria. Enquanto ainda trabalhava na agência eu achava que iria aproveitar o dia para fazer um milhão de coisas ao mesmo tempo, ia me encher de compromissos, ia visitar aqueles lugares da cidade que sempre quis conhecer e nunca fui. E ó: não tenho feito nada disso. Por enquanto estou tentando voltar a ter uma rotina de exercícios, cozinhar mais em casa (alimentação saudável, aí vou eu!) e fazer tudo com calma. Hoje, por exemplo, tiramos o dia para pendurarmos quadros pela casa. E é assim que eu quero: uma coisa por vez, aproveitando tudo com calma.

Uma coisa que mudou totalmente foi meu relacionamento com a internet. Antes eu passava pelo menos 10 horas por dia com Facebook, e-mail, Twitter, Instagram e algum site de notícias aberto. Lia todo dia algumas categorias do meu Feedly e falava com muita gente. Agora entro rapidinho no meu e-mail, olho o Twitter uma vez por dia (e olhe lá!) e só abro o Instagram quando estou sem nada pra fazer. Não tenho mais paciência para o Facebook, então passo alguns dias sem entrar. Os sites de notícia são visitados às vezes, mas tenho trocado por assistir alguns telejornais e canais de notícia mesmo e meu Feedly está abandonado. Só falo com quem me chama pelo WhatsApp, mas até para ele perdi a paciência e tirei as notificações de grupos. Anda difícil ter paciência para ficar sentada em frente ao computador e ler posts de diversos assuntos. Estanho, né? Me acho totalmente viciada em internet e diminuí muito o tempo que passo nela sem sofrer nem um pouco. Por enquanto tenho a sensação de que acabou minha paciência para ficar sentada aqui.

Se já bateu saudade de trabalhar? Bateu. Tô com saudade de ser obrigada a sentar no computador para produzir e de ter um salário. Hahaha. A parte do salário por enquanto é a que mais tenho saudade, pra falar a verdade. Adorava receber meu dinheirinho todo mês.  O negócio é que por enquanto essa saudade ainda é bem pequena comparada à excitação por todas as outras coisas que posso fazer. E também não sei se é com direção de arte que quero continuar trabalhando, então os freelas que pego já matam a vontade.

Tenho ido à médicos, visto mais a família, encontrado amigos que não via há tempos, assistido TV… tá tudo indo muito bem. Obrigada por perguntar.

O que aprendi com a minha primeira casa

Deixar pra trás meu querido apartamento de frente pra pracinha não foi muito fácil. O espaço era bom, a gente tinha decorado cada cantinho do jeitinho que a gente queria (faltava muito ainda para terminar, mas tudo bem) e o bairro era uma delícia. Mas olha, agora que já se passou quase um mês desde que me mudei, a dó de deixá-lo já praticamente sumiu. O apartamento novo é maior, pertinho da família, em um bairro tão gostoso quanto e tá ficando ainda mais com a nossa cara.

Fiz essa lista enquanto estava me despedindo da casa antiga, morreeeendo de dó e pensando em tudo o que passamos por lá. Delícia de momento. <3

Coisas que eu adorava e ficara pra trás: estante da sala e o papel de parede, a parede azul do quarto, o varal de fotos da porta de entrada, o aparador com os únicos quadros da casa, a vista linda pro nascer do sol e o tampo da cozinha feito pelo namorado. <3
Coisas que eu adorava e ficaram pra trás: estante da sala e o papel de parede, a parede azul do quarto, o varal de fotos da porta de entrada, o aparador com os únicos quadros da casa, a vista linda pro nascer do sol e o tampo da cozinha feito pelo namorado. <3

1 – Armários são muito bem-vindos, mas eles te ajudam a ter tranqueiras. Sim, meus amigos. Quanto mais lugar para guardar de tudo e manter longe dos olhos, mais tranqueiras que você não usa e não precisa você vai ter.

2 – Dá para viver com pouquíssimos móveis. Claro que é muito mais confortável ter pelo menos os móveis básicos, mas dá pra viver sem alguns deles numa boa. Nos primeiros meses eu não tinha absolutamente nenhum móvel além da minha cama e olha: sobrevivi. Depois vieram basicamente todos quase de uma vez só, menos a mesa de jantar. Essa a gente nunca comprou e só sentíamos falta dela quando os amigos vinham jantar.

3 – Investir em uma boa cama nunca é demais. Experimente quantos colchões forem necessários, pague mico deitando no meio de várias lojas… não se acanhe. Uma boa cama vai fazer você sonhar em voltar para casa sempre que estiver cansado e olha, isso não tem preço.

4 – Você vai sentir falta dos seus pais. Tenho uma relação ótima com os meus e realmente gostava de morar com eles e da nossa rotina diária. Senti muita muita muita falta deles no começo e descobri que todo mundo que sai de casa sente, é normal. Sorte que o colo deles vai estar sempre pronto pra você, sempre que você quiser.

5 – Há limites para panos de pratos. Eu bordo e sempre fiz meus paninhos de cozinha. Também ganhei alguns de amigas e, como eles são baratinhos, no começo comprava sempre que via algum bonitinho pela frente. Resultado: tenho uma gaveta cheia deles, uso praticamente só os mesmos sempre e estou levando vários novinhos para a casa nova. Repito: não precisa sair estocando pano de prato como louco.

6 – Cada pequena conquista é uma grande conquista. Quando o sofá chega? Ô DELÍCIA! Tv na sala? AFE MARIA, VEM CÁ GLOBO SUA LINDA! Panela nova para repor aquela que você usou tanto que ficou toda estragada? NUNCA COMI COMIDA TÃO BOA! Vaso de flor que você ganhou de uma amiga? AI QUE LINDO AMO FLORES! Sério, é assim. E é gostoso pra caramba.

7 – Você vai fazer muita cagada. Vai botar fogo em pano de prato sem querer. Vai Lavar uma única peça vermelha junto com um monte branca sem querer e vai deixar tudo rosa.  Vai gastar muito mais produto de limpeza do que deveria. Mas tudo é, realmente, um aprendizado. Relaxa que tudo passa e pra tudo dá-se um jeito.

8 – Sua casa é o seu templo. Sabe quando você mora com seus pais e não deixa ninguém entrar no seu quarto, dar pitaco na decoração ou peidar lá dentro? Pois é, agora você tem uma casa inteira para se sentir assim. Hahaha. Você não vê a hora de voltar pra casa só pelo prazer de ficar em casa e nunca, nunquinha, vai convidar alguém que você não gosta para te visitar.

9 – Quanto mais parecida com você, mais acolhedora sua casa será. Coleciona action figures? Não se reprima, espalhe-os pela sala. Lê muito? Vale muito a pena escolher uma estante bem bonita para ostentar suas centenas de livros. Espalhe sua personalidade pela casa, sem ter vergonha. Eu enfeitava minha estante da sala com brinquedos e era bem feliz.

10 – Quadros e cortinas fazem falta. Tive poucos quadros pela casa (e muitos gravuras guardadas no armário esperando por molduras) e nenhuma cortina, em nenhum cômodo. Depois de um tempo, a falta de quadros nas paredes grita e você vê a necessidade de ter cortinas para poder andar tranquilamente de calcinha pela casa.

11 – Papel de parede não é brega. Aposto que você, algum dia da sua vida, achou que papel de parede é algo brega. Eu pensava assim, até me encantar com papéis lindos que vi na internet. E aí coloquei alguns em casa e me apaixonei. Eles deram vida aos cômodos. Enfeitaram as paredes de um jeito simples e nada cansativo. Virei fã de carteirinha do treco.

12 – Nada é para sempre e um lar pode ser feito em qualquer lugar. Antes do apartamento anterior, eu só tinha tido uma outra casa: a dos meus pais. NUNCA tinha me mudado, então não tenho prática nenhuma nisso. E o nosso antigo apartamento me mostrou isso: não importa onde esteja sua casa, ela vira um lar quando você leva tudo o que e quem gosta. Lá já foi meu lar, hoje é aqui. :)