Meus heróis não morreram de overdose

Ontem assisti ao documentário sobre o Senna e fiquei pensando na morte e em como lembro de ter tido meus primeiros contatos com ela. Fui uma pessoa de sorte e até meus 14 anos nenhuma pessoa querida por mim tinha morrido. Sendo assim, meu primeiro contato com a ideia de que “alguém se foi para sempre” foi com famosos que eu gostava.

Lembro bem de quando meu Trapalhão favorito, o Zacarias, morreu. Foi em 1990, então eu tinha 6 anos. Lembro da notícia ter sido dada no Fantástico. Eu estava sentada no chão, encostada no sofá. Lembro das cenas do velório, da retrospectiva mostrando alguns de seus momentos nos Trapalhões e que foi aí que me bateu: “não tem mais Zacarias nos Trapalhões”. Jeito estranho de se perceber que alguém que eu gostava, mesmo de longe, não faria mais parte das novo programas e filmes.

Depois disso, veio o Senna. Quem viveu nos anos 80 e começo dos 90 e não se lembra dos tradicionais domingos de Formula 1 com certeza não tinha televisão em casa. É o único jeito de ter passado ileso ao fenômeno que era o Senna. Lá em casa ninguém era muito fã de Formula 1, mas todo domingo a TV ficava ligada na Globo enquanto meu pai lavava seu Monza na garagem com ajuda dos meus irmãos. Era normal passar pela sala e ouvir a “música do Senna” ou o Galvão gritando “Ayrton Senna do Brasiiiiiiiiiil”. Depois que a corrida acabava a gente se arrumava e ia para a casa da vó almoçar lasanha. Se me perguntam dos meus domingos de infância é disso que lembro.

Aí veio aquele 1º de maio de 1994. Feriado, domingo, provavelmente um pouco frio aqui em SP. Foi só ontem, enquanto assistia ao documentário, que percebi que lembrava super bem dessa corrida. Lembrei das cenas dos acidentes nos treinos, da largada, da sensação de normalidade que era ver a câmera do carro do Senna. E lembrei da tensão que foi quando ele bateu o carro e não saiu andando de dentro dele. Lembrei, de novo, da notícia da morte sendo noticiada no Fantástico. Até lembrei que na segunda-feira a professora nos pediu um minuto de silêncio em homenagem à ele e uma colega de classe começou a chorar feito louca. Estranho, né? A gente só tinha 10 anos e ficamos realmente tristes por um cara que só conhecíamos da TV, pelo qual nascemos torcendo.

Depois disso, em 1996, veio a morte dos Mamonas Assassinas. Os cara que fizeram muita criança gostar de música, de cantar sacanagem na frente dos pais sem ser repreendido, de gritar por aí que foi “convidado pra uma tal de suruba”. Foi no auge, quando estavam começando a aproveitar toda a grana que conseguiram com o pouco tempo de sucesso. Foi brutal também, um avião que cai sempre deixa aquela curiosidade mórbida na gente e todo mundo correu para ver no Notícias Populares as fotos dos “corpos”. Eu era bem fã deles e tenho até hoje revistas, recortes e livros guardados dessa época.

Foi assim que perdi alguns dos meus heróis na infância. Nenhum de overdose, mas todos tão subitamente como se tivesse sido por causa de alguma droga. Estavam lá, vivos, felizes e de repente – BUM! – tinham ido embora.

366 Nuncas: #239 a #245

#239 – 26/08/2012

Estreia de job do namorado, então grudamos no sofá para assistir. Nunca tinha assistido à um episódio inteiro de FDP, só uma cena ou outra enquanto ele trabalhava. Gostei bastante.

.

#240 – 27/08/2012

Foi dia de gravação lá em casa. Morro de vergonha desse tipo de coisa, nunca consigo falar bem olhando para a câmera. Mas também nunca tinha gravado nada lá em casa, foi um pouco mais tranquilo. O resultado mostro logo logo pra vocês. :)

.

#241 – 28/08/2012

Cresci vendo meu pai ler Sherlock Holmes mas nunca tinha lido nada com o personagem. Achei esse livro quando fui comprar presente para o meu pai no mês passado, gostei (capa dura e formato menor, quem resiste?) e tô adorando. Mr. Holmes é uma peça!

.

#242 – 29/08/2012

Momento confissão: não consigo gostar muito do Tom Cruise. Tem filmes com ele que eu adoro (Top Gun!), mas ele nunca é um diferencial para mim. Nunca fui assistir nada só porque ele estava no elenco. Não conheço muito da história dele, então também não sei dizer se esse foi o primeiro musical dele. Só sei que eu nunca tinha visto Tom Cruise fazendo musical. Acabei gostando, o único problema do filme é a vozinha chaaaaata da menina que canta. Podiam ter escolhido outra voz.

.

#243 – 30/08/2012

Me mudei há um ano e desde que tenho minha bancada estava precisando de banquetas para ela. Não tinha comprado até agora porque sempre mudava o modelo que a gente queria. Até que deixamos de frescura e compramos. Nunca tinha tido banqueta em casa, é tão legal. Parece bar. Hahaha. <3

.

#244 – 31/08/2012

Nunca tinha pensado MESMO e trazer um cachorro para o apartamento, até que vi esse pug liiiindo. Tô apaixonada, mas ainda tenho que criar coragem para pagar o que pedem por ele. Esse não vou ter dó de deixar o dia todo sozinho, trancado em casa.

.

#245 – 01/09/2012

Não sou fã de verão, de calor, nem de praia. Mas os pais do Henrique compraram um apartamento na praia e a gente foi até lá conhecer. Eu era a única que nunca tinha ido ao apartamento e adorei. E o maior milagre: também gostei de ir para a praia. Nesse dia só andamos, nada de pegar praia meeeeeeeesmo. Mesmo assim achei gostoso. :)

Perceberam uma coisa? NÃO TEM NENHUMA FOTO DE COMIDA ESSA SEMANAAAA! Aleluia, irmãos!