adolescentes

Andei lendo: The Perks of Being a Wallflower – Stephen Chbosky

andeilendo-perksofbeingawallflower

Desde que o filme saiu, estava doida para ler o livro. Não assisti ao filme, mas tinha visto um trailer e gostado e, por isso, resolvi esperar para ler o livro antes de assisti-lo. Demorei séculos para ler porque estava com uma fila de leitura gigante, mas enquanto esperava um vôo fiquei sem ter o que ler e ele acabou sendo o escolhido na livraria. ;)

Charlie é um garoto de 15 anos que está começando o colégio e não tem nenhum amigo. Na verdade ele tinha um, mas o menino se matou naquele ano. Charlie tem alguns problemas psicológicos, crises de ansiedade e a família toda vive de olho nele.

Como não tem nenhum amigo com quem posso dividir o nervosismo por começar o colégio, Charlie passa a escrever cartas para um garoto desconhecido, de quem ouviu algumas garotas falarem bem. A história é toda contada através dessas cartas que Charlie escreve.

Depois de um começo de aulas solitário, Charlie conhece Sam e seu irmão Patrick, que estão para se formar. Os dois meio que “adotam” o Charlie, naquela relação veterano/bixo, sabe? Passam a sair juntos, apresentam o Charlie aos amigos, o levam para festas, dão drogas pra ele… e, claro, Charlie se apaixona por Sam – que curte uns caras mais velhos e não pensa no menino assim.

O que achei mais legal em todo o livro é a doçura do Charlie. Ele é bobão, completamente inocente… e a gente entende porque Sam e Patrick gostam tanto dele. Mesmo sendo adolescentes, o livro os mostra como pessoas mais profundas e com alguns questionamentos mais profundos. Gostei muito dessa abordagem, já que o livro é basicamente sobre o relacionamento dos três e, geralmente, os autores tratam esse tipo de relacionamento como algo superficial.

Gostei muito do livro, terminei de ler querendo ser amiga dos três. Por esse motivo, assim que fechei o livro corri para assistir o filme. E ODIEI. No filme os personagens são um tanto diferentes, um pouco mais superficiais. A história acabou ficando rasa. Esperava muito mais de um roteiro feito pelo mesmo autor do livro. Foi bem decepcionante pra mim.

Preço: R$13,93 no Submarino.

Andei lendo: Azul é a cor mais quente | Julie Maroh

Quando o filme de Azul é a cor mais quente saiu, vários amigos me indicaram assisti-lo. Enrolei, não fui ao cinema e fiquei com ele na cabeça. Aí naquele dia na Cultura vi a HQ e fiquei mais curiosa ainda. Cheguei em casa e vi que o filme já estava no Netflix, assisti meia hora e brochei. Achei lento, um ritmo muito arrastado e que fazia a história não parecer tão interessante para mim. Tentei assistir de novo em um outro dia, porque achei que eu que não estava no clima da primeira vez e foi a mesma coisa. Em pouco tempo desisti.

azul-cor-mais-quente

Quando ganhei o livro da Dani, confesso que fiquei com medo da HQ ter o mesmo ritmo do filme. Mesmo assim, continuava doida para ler porque já sabia um pouco sobre a história e fiquei curiosa para saber de tudo.

Clémentine é uma menina de 15 anos que sempre achou que fosse “normal”: hétero, aluna mediana, se dava bem com os pais, tentava se ajustar ao seu grupo de amigos. Até que um dia ela vê uma menina de cabelos azuis na rua e não consegue tirá-la da cabeça. Emma invade seus sonhos e a faz ter desejos sexuais que nunca haviam passado pela cabeça dela. Tudo isso a deixa tão confusa que ela se separa do namorado e entra em crise, lutando contra esse desejo doido por uma pessoa que ela só viu de longe, sem saber nem o nome.

O único amigo que sabe o que se passa com Clémentine é Valentin, um menino que já passou por tudo o que ela passa e se aceita como é. Valentin a leva à um bar gay, para ela ver que não tem problema nenhum em ter uma escolha sexual diferente da que achava que tinha e que as pessoas são muito felizes se aceitando. Claro que Valentin arranja um boy magya pra ele, deixa Clémentine sozinha por um momento e ela acaba indo para outro bar gay, somente para mulheres. E quem ela vê lá? A Emma, é claro. Hehehe. Emma também tinha ficado encantada por Clémentine quando elas se cruzaram na rua alguns meses antes e vai falar com ela.

Depois desse encontro, as duas ficam amigas, flertam e passam muito tempo juntas. Emma é mais velha, tem uma namorada e acredita que Clémentine é na verdade hétero, então evita qualquer tipo de relação amorosa com a menina. Mas as duas se apaixonam, não conseguem se segura e eu vou parar de falar porque você tem que ler pra saber o resto. :p

A história é bonita, mas também muito tensa. Clémentine se questiona muito, tem vários problemas ao se assumir homossexual e recebe apoio de poucas pessoas. A história é triste, mas gostei muito do livro. Fora que boa parte da história é contada através dos diários da Clémentine e achei isso super legal.

Terminei o livro pensando em dar mais uma chance ao filme. Veremos se consigo terminá-lo agora. ;)

Preço: R$33,90 no Submarino

Andei lendo: GhostGirl | Tonya Hurley

andeilendo-ghostgirl

Charlotte é uma menina inteligente, mas totalmente ignorada na escola. Não tem amigo algum, ninguém se lembra dela… e ela aproveita as férias de verão para se reinventar. Emagrece, compra roupas novas, faz uma lista de resoluções para conseguir chamar a atenção do menino de quem gosta, Damen, que é “só” o menino mais popular do colégio e namorado da menina que todas as outras querem ser.

Chega o primeiro dia de aula e o plano de Charlotte não vai tão bem assim, mas o destino dá uma mãozinha: o professor a coloca como parceira de aula de Damen. Sangue, suor e emoção pra menina, que fica sem nem saber como agir em frente ao garoto. E o que acontece? Por uma bobeira, Charlotte engasga e morre. :O

Desculpa, não tô dando spoiler nenhum porque esse é o começo do livro. Hahha. Mas você já devia imaginar que, pelo nome do livro, Charlotte ia morrer alguma hora.

E aí começa a nova fase da “vida” da Charlotte: aprender a ser um espírito, descobrir qual o assunto pendente que a prende à esse mundo e ainda assim conquistar Damen. A menina é uma obcecada, sério. Morre, tem um monte de coisa pra fazer e continua no pé do menino, coitado. Hahaha.

Depois de morta, Charlotte descobre que Scarlet (a irmã mais nova da namorada de Damen) pode vê-la e fica amiga da menina. E aí o livro vira uma trapalhada só, com as besteiras que a Charlotte faz. É um livro para adolescentes, então seguiu bem a regrinha de que todos os adolescentes são meio imbecis. Acabei não gostando da Charlotte e garrando amor na Scarlet, que é uma personagem um pouco mais bem trabalhada. Esse é o primeiro livro da série, mas não me empolgo para ler os outros.

Preço: R$35,90 no Submarino