vampiros

Andei lendo: O vampirto Lestat – 2º livro das Crônicas Vampirescas | Anne Rice

Sabe como eu sou com capa de livro, né? Daí que vi esse cara cabeludo segurando uma guitarra na capa do livro e pensei “WTF esse cara?“. Hahaha. Aí comecei o livro e tudo se explica: Lestat vira um rockstar mega super popular nos anos 80. E aí achei galhofa, mas resolvi continuar lendo porque fiquei curiosa pra saber como aquele vampiro malvado que era amigo do Louis virava isso.

Depois dessa introdução onde o Lestat conta que reviveu (lembra que o Louis e a Claudia meiqui tinham dado um fim nele?), virou rockstar e lançou sua biografia depois que leu a versão da história no Entrevista com o Vampiro que o Louis tinha lançado, ele conta toda sua história.

Foi legal ver como Lestat foi criado, como ele se sentia solitário e, por isso, transformou sua mãe que estava à beira da morte em vampira também. Fora isso, achei Lestat recém vampiro um chaaaato. Tudo era drama, tudo ele choramingava. Dava vontade de dar umas chacoalhadas nele pra ver se virava homem, sabe?

Com o passar do tempo ele fica melhor, mais durão, conhece a origem dos vampiros (demônios uqe invadiram o corpo de um rei e uma rainha que estava morrendo), cria Louis e Claudia, aproveita a vida e sofe horrores com toda a história da “traição” deles.

O final do livro volta aos anos 80, quando ele reencontra Louis e Gabrielle (a mãe que tinha se separado dele uns 10 anos depois de ter sido transformada em vampira) e recebe chamados de ajuda dos vampiros mais antigos.

Falam que o próximo livro, A rainha dos condenados, começa exatamente onde esse livro termina. Pra variar um pouquinho, vou dar um intervalo antes de ler, pra não cansar.

Andei lendo: Bloody Valentine – A Blue Bloods Novella | Melissa de la Cruz

Quando ganhei o santo vale da Livraria Cultura fui correndo buscar esse livro e o Misguided Angel (que é a continuação da série). O Bloody Valentine é tipo um bônus, com 3 histórinhas sobre personagens chave na série. Já vou avisando que esse post é cheio de spoilers.

A primeira conta como Oliver consegue quebrar a ligação que tem com a Schuyler, por ser seu “familiar”. É legal porque mostra bem o que o Oliver sente, conta o que ele faz depois que se separa dela e apresenta Freya, que é personagem de outra série da autora. Aliás, a Melissa de la Cruz adora fazer isso. Já separou a Bliss de Blue Bloods e criou uma outra série de livros só para a personagem também).

A segunda história mostra como foi a adolescência de Allegra e como ela conheceu o pai da Schuyler, que é humano e era seu colega de escola. Também mostra como ela resolveu quebrar o pacto com Michael e como era sua convivência com a família. É legal, porque a Allegra adolescente é bem parecida com a Schuyler.

Na terceira história é contado um pouco de como acontece o “casamento” (me mata não saber qual é o termo em português e, como não quero ficar usando os em inglês aqui no post, traduzo do jeito que acho que fica mais fácil de entender. haha) de Schuyler e Jack. Tudo meio conturbado, mas bem feliz já que Bliss e Oliver vão pra lá.

O livro é bem rapidinho de ler e como adoro ler mais sobre meus personagens queridos (Oliver! Oliver!) gostei bastante. Agora vou dar um bom tempo para ler o próximo da série, assim não fico doida querendo ler o sexto livro depois. :p

The Van Alen Legacy – 4º livro da série Blue Bloods | Melissa de la Cruz

Minha ideia era deixar para ler esse livro mais para o final do ano, já que tô numas de não comprar livro nenhum até acabar com a minha fila de mais de 50 livros para ler (uma coisa bem parecida com o que a Camies escreveu lá no Mão Feita, já que não adianta eu continuar comprando livros se não dou conta nem dos que já estão compradinhos e pagos lá em casa) e SABIA que ia ficar toda melindrada querendo ler os próximos volumes da série. Mas, né? Não aguentei e peguei logo porque queria saber o que acontecia com a Schuyler. Hahahaha.

Não tinha gostado tanto assim do terceiro livro e não tava tão animada com o The Van Alen Legacy, mas me enganei. Esse livro é todo contado por fragmentos, cada capítulo é a visão de uma das três principais personagens feminas, então você vai acompanhando o que acontece com elas ao mesmo tempo e, a partir da hora em que todo mundo está de volta à New York, os mesmos acontecimentos do ponto de vista das três.

Depois de todo o drama que rolou no Rio de Janeiro, Schuyler foge pra Europa com o Olliver, Mimi volta ao Rio com Kingsley para procurar uma pessoa que sumiu (não posso falar quem é, né?) e Bliss fica afastada da escola, na casa de veraneio da família. Nisso se passa um ano, acontece até que bastante coisa e todo mundo volta pra New York. Tem ação, tem um pouco de enrolação (mas nesse livro nem senti muito, viu?) e dramas românticos.

Gostei do livro por alguns motivos: Olliver se comprovou homem com H maiúsculo e continua sendo meu personagem favorito de toda a série e Mimi começa a demonstrar que apesar de ser uma vaca maledeta também tem coração.

Melissa também até que se saiu bem ao escrever sobre o Rio de Janeiro (qual é o lance desses vampirinhos adolescentes e o Rio, hein? Até achei que a Mimi ia acabar esbarrando com o Edward por lá. hahaha). Claro que teve alguns deslizes, tipo os diálogos serem uma mistura meio bizarra de português e espanhol e ela achar que a nossa moeda é o Peso. Mas de resto, ela foi bem.

Terminei o livro e ainda tinha que esperar um pouco pelo namorado no shopping. Claro que fui correndo até a livraria ver se tinha o próximo livro da série e não tinha. Mas tinha coisa bem legal: os dois volumes “extras” que a autora lançou, que não fazem necessariamente parte da história mas complementam ela. Olhei, abri, vi o preço, namorei eles um pouquinho e deixei por lá. Saí orgulhosa de mim. Hahahha.