papelaria

#casórioamaralfernandes: detalhes feitos à mão

Uma das coisas que sempre tive certeza é de que iria querer fazer coisas para decorar meu casamento, eu mesma. Não tô falando decorar tudo porque sei que não daria conta (e nem tenho talento pra isso), mas uma coisinha ou outra, sabe? E foi isso que fiz, além de pedir ajuda à minha mãe com a parte de crochê porque eu não sei fazer. Hahaha.

A primeira coisa que comecei a fazer é bem óbvia: a papelaria. Gostei tanto que virou até negócio, mas vou fazer um post só sobre ela depois. Nesse post quero falar um pouco sobre as coisas literalmente feitas e finalizadas com as mãos. ;)

Livrinho de colorir, lembrancinha para as crianças. Foto: Amanda Francelino

A gente queria uma decoração aconchegante e colorida e, pelas andanças pelo Pinterest, vi uns vasinhos feitos com pote de palmito coberto por crochê e gamei. Achei lindo, dava para brincar bastante com as cores… fui logo perguntando se Dona Bete topava fazer alguns e o resultado foi muito melhor do que a gente esperava. Os vasos fizeram MUITO sucesso no casamento e quem ficou até o final da festa acabou levando alguns de presente.

Tínhamos 4 cores de crochê: amarelo, azul, rosa e cru. Foto: Amanda Francelino

Eu sabia que não queria jogar meu buquê de verdade, mas também não queria fazer um buquê com flores naturais porque acho legal ser algo mais durável. Pra resolver isso, de novo o jeito foi recorrer à minha mãe. Ela fez um buquê de corações de crochê para eu jogar e mais quatro para minhas sobrinhas (que foram daminhas) usarem na cerimônia. Ficaram super fofinhos, as meninas adoraram e brincam com eles até hoje.

Esse era o buquê maior, que joguei. Os buquês das daminhas tinham 3 corações cada. Foto: Amanda Francelino

Sempre falei aqui que bordo ponto cruz, mas queria fazer alguns quadrinhos com frases e esse tipo de bordado não daria o resultado que eu queria. Resolvi aprender novos pontos de bordados e, assim, fiz quadrinhos para enfeitas a mesa de doces e outros para dar de presente aos pais e padrinhos. Também me empolguei e bordei os nomes das amigas que costurei na barra do meu vestido.

Esse quadro bordei para pais, padrinhos e pra gente (usei ele na decoração da festa e agora ele enfeita nossa sala). Foto: Amanda Francelino
Foto: Amanda Francelino
Tecido com nome de uma das amigas bordado. Depois do casamento, retirei da barra, lavei e dei para elas. Foto: Amanda Francelino

Já que estava com a mão na massa com os bordados, resolvi bordar lembrancinhas também. Fiz pequenos broches de mdf com um coração em ponto cruz e, para entregar, os pendurei em marca-páginas. Ficou bonitinho e já vi convidado usando em mochila por aí. :)

Foto: Amanda Francelino

Sempre quis usar os bonequinhos que fiz para pedir o Henrique em casamento como topo de bolo, então só deixei eles um pouquinho mais temáticos costurando um voilette e uma gravatinha neles. Acho que, de tudo, isso foi o mais fácil, em 10 minutinhos estava prontos. Hahah. X)

Foto: Amanda Francelino

Como vocês podem ver, não fizemos nada demais, mas fiquei super orgulhosa do resultado final. Ficou do jeitinho que eu queria. <3

52 objetos: #40

Achou que eu tinha abandonado o projeto? Nã-nã-ni-nã-não, colega! Só estou mega hiper atrasada, mas cá estou eu para terminar as últimas semanas dele. Ha! Mas uma coisa tenho que confessar: ainda não decidi os últimos objetos, tá difícil pra caramba de escolher. Parece que tudo o que penso é repetição de algum objeto que já escolhi, sabe? Tá osso!

52-objetos-papel-carta

O quê: Papéis de carta
Por quê: AMO uma cartinha
Onde está: Dentro de um caderno, no meu armário do escritório
De onde veio: De vários lugares, nunca resisto quando encontro algum bonito e barato. Também ganhei alguns.

Quando eu tinha uns 8 anos coloquei um anúncio no caderno infantil de um jornal aqui do Grande ABC pedindo para conhecer amigos por cartas. Começo dos anos 90, né? Não rolava tanta neurose das pessoas saberem o nosso endereço, ninguém tinha e-mail ainda… esse foi o jeito que encontrei para conhecer pessoas diferentes e escrever, coisa que sempre gostei.

Eu tinha vários amigos por correspondência (se fosse moderna, chamaria de penpals, mas né? Naquele tempo eu nem sabia que esse termo existia! Hahha), com alguns me correspondi por anos, até a adolescência. Aos 12 anos, quando comecei a ter internet em casa, fiz amigos pelo bate-papo do ZAZ (ô saudade!) e trocava cartas com eles. Com minhas melhores amigas na escola também trocava cartas: a gente se via todo dia, o dia inteiro e, ainda assim, escrevíamos as cartas e mandávamos pelos correios. Depois, no colégio, trocava cartas com a irmã de uma colega de sala, sempre com embalagens e temas mega elaborados (elas iam em caixas bordadas, balões de ar, etc, uma loucura). Tenho todas essas cartas guardadas em caixas e, com certeza, guardarei todas pelo resto da vida.

Depois de adulta troquei cartas com algumas amigas, filhos de amigas.. mas em todos os casos eu fui a última a não escrever, que vergonha. Tenho que retomar o hábito. Sempre penso nisso, tanto que tenho um pequeno estoque de papéis de carta só esperando para ser usado.

Adoro escrever cartas e adoro receber uma. Antes que alguém aqui fale “ahhh, muito melhor e mais fácil escrever um e-mail”, já vou avisando: NÃO! Cartas são verdadeiras demonstrações de carinho. Saber que a pessoa parou, pegou a caneta, escolheu um papel legal e dedicou um tempo a pensar e falar exclusivamente com você é sensacional.

O que é o projeto 52 objetos?
Em muitos anos no futuro alguém encontra uma caixa cheia de coisas que você possuiu e tenta descobrir que tipo de pessoa você era. Talvez essa caixa tenha fotografias, livros, documentos pessoais, roupas, talheres, bilhetes de shows ou até um pacote de chiclete. O que esses objetos diriam sobre você? Eles mostrariam um retrato fiel da sua vida? Qual história eles diriam?

A ideia original veio daqui e essa tradução da explicação é da Ana Paula. Você pode ver todos os outros objetos que escolhi aqui.

52 objetos: #39

Eu me atrasei toda nesse projeto e tenho um motivo ridículo pra isso: as fotos. Tenho vários escritos (praticamente todos das semanas que ainda não postei), mas não tá rolando tempo de tirar foto. JURO! E isso porque não tiro nenhuma OH-MEU-DEUS-QUE-FOTO-FODA. Eu sei disso, mas tenho que parar, pensar no fundo, escolher a posição e tudo mais. Aí fico aqui trabalhando e quando vejo já está escuro ou tenho que ir resolver outra coisa antes de fotografar. Enfim, não percam a fé. Terminarei esse projeto COM CERTEZA. Nem que eu faça um intensivão de posts logo logo. Hahah. X)

52objetos-39

O quê: Caderninho de anotações
Por quê: Tenho vários, sempre estou com um por perto e tenho mil anotações importantes neles
Onde está: Do meu lado, aqui na minha mesa de trabalho
De onde veio: Esse comprei há uns 3 ou 4 anos, em um quiosque no Shopping Market Place

Eu AMO papelaria. AMO. É uma das coisas que lembro de gostar desde que me entendo por gente. Sempre gostei de caneta, papel, escolher material escolar, queria tudo enfeitadinho, chorava pra minha mãe comprar borracha nova porque a minha já estava feia e usada. Haha. E carrego isso comigo até hoje, não posso ver alguma coisa bonita que já quero levar pra casa.

Além disso, não consigo gostar de anotar coisas no celular. Tem coisa que precisa ser escrita, desculpa aí. Por isso tenho alguns caderninhos sendo usados ao mesmo tempo. O da mesa de trabalho uso para fazer listas do que tenho que fazer (pelo menos umas duas vezes na semana, em épocas muito cheias de tarefas faço todo dia) e anotar telefones, composição de cores, etc. Esse da foto é o caderno “sociável” (como diria minha mãe. Hahah): é ele que vai comigo em reuniões, já que é bonito (por dentro ele é de oncinha!). Também é nele que anoto ideias de posts pros blogs, listas de coisas que quero, etc. Outro fica guardado no armário e é bem menor, mas uso para anotar ideias para um futuro livro que talvez algum dia eu crie vergonha na cara e escreva, quem sabe?

Uma das gavetas do meu armário aqui no escritório é só de papelaria e tenho uns outros 5 ou 6 caderninhos guardados para quando precisar. Tenho um outro aqui na mesa, de pelúcia (super adulta essa pessoa que vos escreve), mas ainda não tive coragem de usar, é lindinho demais.

E sim, continuo querendo caderninhos e comprando eles quando não consigo resistir. Tô fazendo estoque, vai que um dia param de fabricar cadernos? Hahah :p

O que é o projeto 52 objetos?
Em muitos anos no futuro alguém encontra uma caixa cheia de coisas que você possuiu e tenta descobrir que tipo de pessoa você era. Talvez essa caixa tenha fotografias, livros, documentos pessoais, roupas, talheres, bilhetes de shows ou até um pacote de chiclete. O que esses objetos diriam sobre você? Eles mostrariam um retrato fiel da sua vida? Qual história eles diriam?

A ideia original veio daqui e essa tradução da explicação é da Ana Paula. Você pode ver todos os outros objetos que escolhi aqui.