fotos

Made by… Feito por Brasileiros

Não sei se já falei por aqui, mas sou doida por prédios antigos. Meio abandonados então, eu piro. E tenho que confessar que era por esse motivo que eu queria tanto visitar a Made by… Feito por Brasileiros, realizada no prédio do antigo Hospital Matarazzo, fechado há mais 20 anos.

hospital-matarazzo01

A exposição iria até o dia 12/10 e, como não consegui ir até o dia, já tinha dado como perdida a vontade de conhecer o hospital por dentro antes que ele seja demolido/restaurado/sabe-se lá o que vão fazer com o coitado. Aí ontem fui com uma amiga à exposição do Castelo Rá-Tim-Bum e, com uma espera de quase 7h para poder entrar, desistimos. Resolvi procurar pela Made By… no Google, vai que tinham prorrogado, né? E tinham! A exposição vai até hoje, das 10h às 12h e das 14h às 16h. Então se você tá à toa hoje, recomendo que vá!

Pelo nome, eu achava que só veria trabalhos de artistas plásticos brasileiros, mas não. Tem muitos nomes internacionais e, sendo bem sincera, pouquíssimos eu conhecia. Dos mais famosos, tem o brasileiro Vik Muniz e o uruguaio Álvaro de García Zuñiga. Muita arte conceitual, muita instalação com vídeo.. eu não sou muito chegada, não entendo muita coisa, mas gostei muito de algumas.

hospital-matarazzo02 hospital-matarazzo03 hospital-matarazzo04 hospital-matarazzo07

É de Vik uma das áreas mais interessantes: uma sala que conta a história de um hipocondríaco que, de tanto acreditar que estava doente, teria somatizado cálculos renais. Os médicos o operaram às pressas, mas ele não resistiu. Depois da operação, a surpresa: os cálculos não eram visíveis à olho nu. Ao olharem o recipiente onde colocaram eles, ninguém via nada. Ao balançar o mesmo recipiente, ouviam o barulho dos cálculos batendo. Colocaram líquido no recipiente e ta-da: os cálculos transparentes apareceram! Muito doida essa história! Encontraram os cálculos e todos os documentos que contam a história em um dos cofres que ficavam na sala da diretoria do Hospital. Nesse vídeo dá pra ver um pouco:

Os cálculos "invisíveis".
Os cálculos “invisíveis”.

Gostei tanto dessa parte que acho que todo o Hospital merecia ter ganho uma exposição só com histórias que aconteceram por lá. Seria super interessante. Fiquei pensando nisso ao ler essa matéria com antigos funcionários que voltaram ao prédio durante a exposição.

A exposição tem áreas fechadas, inclusive aquela em que alagaram tudo e onde, acho, era o necrotério do Hospital. Também li que algumas outras áreas foram fechadas por conta de uma outra obra que fazia “chover” dentro das salas e que estaria prejudicando ainda mais o prédio já arruinado, mas não sei se isso é verdade. A foto abaixo é dessa área.

hospital-matarazzo06 hospital-matarazzo08 hospital-matarazzo09 hospital-matarazzo10 hospital-matarazzo11 hospital-matarazzo12

Uma instalação muito interessante e linda de morrer é a realizada na Capela da instituição. Toda feita com tecido, tricô e crochê, ocupa todo o teto e algumas partes do chão. É cheia de luzes que vão acendendo e apagando, fazendo um efeito lindo. É lindo demais ao vivo, não acho que as fotos tenham feito justiça à beleza da instalação.

hospital-matarazzo13 hospital-matarazzo14

Os prédios do Hospital Matarazzo são enormes. E lindos. E detonados. E eu não acredito que provavelmente boa parte deles será demolida. O complexo foi comprado por um grupo francês que, até agora, não anunciou oficialmente no que transformará o local. Há boatos de que vire um complexo de lojas, estúdios e cinemas, somente com a fachada preservada. Será? Espero que algo além do que a fachada seja restaurada.

Buenos Aires – grafittes

Sou apaixonada por grafitti e fiquei maluca na cidade. A Galeria Bond Street foi o ponto alto para isso, mas pela cidade você também vê vários muito bonitos. Até os trens do metrô são grafitados. LINDO LINDO LINDO!buenos-grafitti1

buenos-grafitti2

buenos-grafitti3

buenos-grafitti4

buenos-grafitti5

buenos-grafitti6

buenos-grafitti7

buenos-grafitti8

 

Buenos Aires – La Boca e Caminito

A gente foi à pé, andamos toda a Calle Defensa (onde rola a feirinha de San Telmo) e continuamos descendo. La Boca é um bairro mais pobre (entramos em uma rua deserta sem querer, demos de cara com uns caras beeeem suspeitos que pararam de conversar para ficar encarando a gente. Foi o único momento mais “perigoso” da viagem, mas foi só dar meia volta e tudo bem) e você sente diferença olhando para o chão: bastante sujeira, cheio de xixi e cocô de cachorro pra tudo quanto é lado. Na verdade, tem muito cocô de cachorro pela cidade toda, mas ali tem mais.

buenos-caminito5

Estadio do Boca Junior – La Bombonera

Eu tava DOIDA para fazer esse tour guiado, mesmo lendo em vários lugares que seria um passeio dispensável. Adoro futebol e sempre quis conhecer um estádio tendo um guia contando curiosidades. Sou doida? Hahaha. Aqui em SP acho que nenhum estádio tem esse tipo de visita (pelo menos que eu saiba) e tô na torcida pra ter isso quando inaugurarem o estádio do meu Curintia. <3

A visita dura uns 40 minutinhos, o guia é mega simpático e rola até uma interaçãozinha quando ele explica sobre o barulho que a torcida faz atrás do gol adversário. É bem legal, principalmente pra quem gosta de futebol. Adorei entrar no vestiário onde o Corinthians se preparou pra vitória da Libertadores. Ha!

Foi uma das coisas que mais gostei de conhecer.

Achei que algumas partes do Museu (que você pode visitar, sem ter a visita guiada) são parecidas com outras do Museu do Futebol, aqui em SP.

buenos-boca1

buenos-boca2

buenos-boca3

Caminito

Posso falar? É bonitinho, coloridinho, sem gracinha, chatinho. Hahaha. Não tem muita coisa para fazer a não ser tirar fotos e andar pela rua super cheia e com vários restaurantes e lojas pega-turista. Tinha lido isso aqui e tenho que concordar.

Ficamos super pouco tempo por lá e eu teria achado um tempo perdido se não fosse tão perto da Bombonera. Foi o passeio mais bobinho de toda a viagem.

buenos-caminito1

buenos-caminito2

buenos-caminito3

buenos-caminito4