filmes

52 objetos: #8

52objetos-ferris

O quê: DVD Curtindo a Vida Adoidado
Por quê: É meu filme favorito
Onde está: No rack, na minha sala
De onde veio: O primeiro, em inglês e na caixinha de papel, ganhei da minha irmã e foi comprado no Canadá. O segundo comprei nas Lojas Americanas, alguns anos depois (só para ter a dublagem nacional, que eu cresci assistindo)

Já falei mil vezes que Curtindo a Vida Adoidado é meu filme favorito nessa vida. Sei diálogos de cor, passei tardes e tardes da minha infância assistindo ao dia de diversão do Ferris com a namorada e o Cameron. E por isso, em uma caixa que falasse sobre mim, eu não poderia deixar de colocar uma cópia do filme.

Lembro de, quando criança, imaginar que quando fosse adolescente iria namorar um cara tão legal quanto o Ferris (e ele usaria um colete de oncinha, É CLARO), iria matar aula para ter tardes de diversão pela cidade, iria ser tão popular e legal quanto ele… claro que não tive uma adolescência totalmente assim, mas me diverti muito e esse período da minha vida foi tão leve e gostoso quanto o que o Ferris vive no filme. Assistindo tanto ao filme acabei aprendendo com o personagem a não levar a vida tão a sério. Por que não parar e aproveitar um pouco a vida, antes de ter que se preocupar com as coisas grandes? Se você não fizer isso, pode ser que a vida passe e você a perca. ;p

O que é o projeto 52 objetos?
Em muitos anos no futuro alguém encontra uma caixa cheia de coisas que você possuiu e tenta descobrir que tipo de pessoa você era. Talvez essa caixa tenha fotografias, livros, documentos pessoais, roupas, talheres, bilhetes de shows ou até um pacote de chiclete. O que esses objetos diriam sobre você? Eles mostrariam um retrato fiel da sua vida? Qual história eles diriam?

A ideia original veio daqui e essa tradução da explicação é da Ana Paula. Você pode ver todos os outros objetos que escolhi aqui.

Tag: Vamos falar de filmes

Em dezembro a Miche me indicou para responder essa tag e eu fiquei tão sem saber por onde começar que só consegui terminar agora. Hahaha. Adoro cinema, mas não tenho uma memória assim tão boa, acabo sempre lembrando dos mesmos filmes mesmo já tendo assistido muitos outros. E aí tive que vasculhar a mente pra sair da minha zona de conforto e pensar em filmes legais que eu já quase não lembrava de ter assistido.

meme-filmes2015

1. Um filme que você assistiu várias vezes no cinema.
60 segundos. Adooooro esse filme, acho que assisti umas 4 ou 5 vezes no cinema. É um daqueles filmes que paro para assistir sempre que está passando na TV. Gosto da história, dos atores, da trilha sonora… nunca me canso do Memphis e sua gangue.

2. Top cinco filmes do seu ator ou atriz favorito.
Não tenho um(a) favorito(a).
Tem vários que não gosto muito, mas não tem ninguém que me faça assistir qualquer filme só porque está nele. Então vou pegar um que gosto e acho que tem filmes bons: Al Pacino. Ele quase sempre é um mafioso ou policial, mas adoro os filmes. Meus favoritos: O Poderoso Chefão, Scarface, Donnie Brasco, Advogado do Diabo e As duas faces da lei.

3. Um enredo de filme que você gostaria de ter vivido.

O do meu filme favorito da vida: Curtindo a Vida Adoidado. Quando eu era pequena era apaixonada pelo Ferris, sempre quis dançar Beatles e Wayne Newton no meio de uma parada da cidade. Hahaha.

4. Top cinco interpretações favoritas.
Também não tenho exatamente 5 favoritas, então listei algumas que gosto bastante.
1 – Jamie Foxx em Ray.
2 – Brad Pitt em Bastardos Inglórios.
3 – Alec Baldwin em Os Fantasmas se divertem.
4 – Abigail Breslin em Pequena Miss Sunshine.
5 – Philip Seymour Hoffman em Capote.

5. Um ator (ou atriz) subestimado.
Leonardo DiCaprio
. Acho que ele passou a barreira do “só um rostinho bonito” há anos, faz interpretações muito boas e ainda assim tem muita gente que vira o nariz pra ele por causa da época de Titanic.

6. Um ator (ou atriz) superestimado.
Que me desculpem os fãs de Robin Willians, mas sempre tenho vontade de desistir de um filme quando vejo que ele está no elenco. Não consigo achar a atuação dele tão boa assim, nunca simpatizo com os personagens que ele fez e geralmente acho os filmes super chatos.

7. Um filme que você assistiu e acha que ninguém ouviu falar.
Um filme que pouca gente que conheço assistiu e eu adoro é Apenas o Fim. Adoro o Gregorio Duvivier nesse filme.

8. Personagens favoritos.
Ferris Bueller, Goose e Chicó.

9. Uma adaptação que ficou melhor do que o livro.
O Poderoso Chefão. O livro é lento e as atuações do filme são sensacionais, é muito mais divertido assistir essa história do que lê-la.

10. Último filme que decepcionou você.
Meninos não choram. O filme é velho, super famoso e só assisti esse final de semana. Achei meio lento, o enredo fica meio parado demais… esperava muito mais.

11. Último filme que superou suas expectativas.
Looper. Achei que seria meio chato, mas o mote é super interessante e te prende até o final.

12. Filmes que todo mundo deveria assistir.
O labirinto do fauno, tem uma direção de arte linda, a história é sensacional… só tenho coisas boas para falar desse filme.

13. Filme mudo favorito.
Nunca tive muita paciência para filmes mudos, então acho que o único que assisti inteiro até hoje foi Tempos modernos, na escola.

14. Filmes que você sabe que deveria assistir, mas simplesmente não consegue.
A trilogia antiga de Star Wars. Assisti a nova trilogia no cinema, mas nunca assisti qualquer um dos filmes antigos inteiro, só um pedaço ou outro.

Indico a Ba Moretti e a Livs para responderem essa tag. :)

Andei lendo: 12 anos de escravidão | Solomon Northup

12anosescravidao

Como já contei aqui, quando recebi o Lev para testar ganhei 4 livros na loja e ebooks da Saraiva. Dos quatro, o que mais me chamou a atenção foi Doze anos de escravidão, porque o filme foi muito comentado e eu ainda não tinha assistido.

O livro é todo contado por Solomon Northup, um americano que viveu até seus 33 anos como um homem livre no estado de Nova Iorque, na metade dos anos 1800. Northup tinha família, filhos, amigos, uma vida relativamente confortável. Até que um dia conheceu dois homens que lhe prometeram emprego em um circo, o enganaram e o venderam como escravo no Sul do país, onde a escravidão ainda era uma coisa legal na época.

Ao virar escravo, não só a liberdade foi tirada de Northup. Ele perdeu seus documentos, suas roupas, seu dinheiro e até seu nome. Para não encontrarem Solomon, ele foi renomeado de Platt e espancado quando tentou contestar o estado em que se encontrava.

Depois de aprender que lhe seria de mais valia não comentar com ninguém sobre seu passado de homem livre enquanto esperava a melhor hora para escapar, Solomon viveu por 12 anos como escravo em fazendas na Louisiana. Passou pelas mãos de três donos, dois deles bastante cruéis. Sofreu espancamentos, tomou chibatadas, passou fome, foi obrigado a dar chibatas em companheiros. A gente aprende na escola sobre a época da escravidão (que não foi muito diferente aqui e quem qualquer outra parte do mundo), mas acho que nunca conseguimos imaginar direito como eram os dias dessas pessoas. Os relatos sobre os sofrimentos que Solomon presenciou e viveu são o que mais marcam. Mães separadas dos filhos, abuso sexual, abuso de poder, falta de esperança, condições desumanas… tudo é dito muito claramente, já que estava muito vívido nas lembranças de Solomon enquanto ele escrevia o livro, pouco depois de conseguir de volta sua liberdade.

Aliás, saber que Solomon reencontra sua liberdade antes mesmo de eu começar a ler o livro é o que faz com que a leitura de tanto sofrimento seja mais suportável. A liberdade lhe foi dada novamente após a ajuda de um canadense que foi trabalhar na fazendo onde ele estava, uma carta foi enviada à conhecidos em Nova Iorque e houve uma grande mobilização para trazê-lo de volta à sua terra.

Depois de solto, Solomon escreveu o livro e passou o resto de seus dias lutando pela abolição da escravatura em todo o país. Deu palestras, viajou e, algum tempo depois, sumiu da vida pública. A data exata e o motivo de sua morte não são conhecidos.

Gostei muito do livro e corri para assistir ao filme. Do filme não gostei tanto, mudaram algumas coisinhas na história e achei algumas bem desnecessárias. :/

Recentemente traduziram o relato de um ex-escravo que conseguiu fugir em NY, mas que trabalhou no Brasil. Parece que era comum ex-escravos escreverem suas histórias, como uma forma de protesto para ajudar as leis abolicionistas.

Preço: R$19,90 no Submarino

aviso-publi-convites