BEDA

People are equal

Uma das coisas mais legais de se trabalhar em agência de publicidade é que, obviamente, você conhece muitos outros publicitários. E publicitário, meus queridos, é um ser que sempre tem ideias. Seja para ajudar o cliente a vender mais, seja para sacanear o colega de trabalho que saiu de férias (been there, done that). Conhecer publicitários com a mente fervilhante é gostoso porque vira e mexe algum amigo te mostra um novo projeto pessoal que realmente vale a pena ser conhecido. E é aqui que entra o People are equal.

people-are-equal-01

Criado pelos publicitários Tiago Abreu e Linus Ora, o projeto confronta o que é sugerido pelo Google com o recurso auto-completar nas buscas sobre povos de diversos países com imagens reais de pessoas daquele país. O Google cria essa sugestões de auto-completar baseado no que as pessoas escrevem no campo de busca e, o que choca, é que a maioria das sugestões é pejorativa, racista ou realmente estereotipada. E o que as fotos mostram? Um povo bem diferente daquele que o Google sugere, é claro.

people-are-equal-02

Mais de 20 fotógrafos pelo mundo já cederam fotos para o projeto, que é sem fins lucrativos. Por enquanto são 40 retratos publicados, mas a ideia é que a biblioteca só aumente.

Quando o Tiago me mostrou esse projeto dele, adorei. Gostei principalmente por ter tantas nacionalidades diferentes e quebrar um pouco até do que eu imaginava desses povos. Um tapinha na nossa cara, pra mostrar que a gente pode sem ter muitos preconceitos onde nem acha que tem.

people-are-equal-03

people-are-equal-04

 

BEDA-2015

Andei lendo: Will & Will | John Green e David Levithan

willewill-john-green

Nunca tinha lido resenhas sobre esse livro, mas por ser metade escrito por John Green, sempre quis ler. Eu achava que o livro seria sobre um casal adolescente com os dois meninos chamados Will e ó: estava bem errada. Hahaha.

Will Grayson tem 18 anos, mora em Chicago e é um adolescente super comum: nem bonito nem feio, nem alto nem baixo, nem popular nem desprezado pelos colegas. A única coisa diferente sobre ele foi ter escrito uma carta para o jornal da escola defendendo seu melhor amigo, Tiny Cooper, quando ele foi banido do time da escola por ser gay. Will acredita que ficando calado e não se importando com nada conseguirá ter uma vida calma e sem grandes decepções. Isso vale para as garotas, nunca se envolve com elas e evita assim ter o coração partido.

O outro Will Grayson também tem 18 anos, mas não mora em Chicago (e sim em uma cidade perto) mas é um adolescente bem problemático: tem pouquíssimos amigos, não se abre com ninguém, tem depressão (e toma remédios para isso) e tem problemas financeiros. A única felicidade na vida de Will é seu relacionamento virtual com Isaac, um garoto de outra cidade por quem ele é totalmente apaixonado e com quem conversa muito pela internet (mas nunca sequer pelo telefone).

Não vou contar como a história dos dois Wills se encontra porque estragaria boa parte da surpresa para vocês, mas tenho que falar um pouco sobre os outros personagens. Tiny é um cara gigantesco, cheio de vida e quem realmente traz ação para a vida do primeiro Will. Ele escreve um musical sobre sua vida e consegue montar uma super produção com os recursos da escola. Fora que ele é todo apaixonado por tudo quanto é cara que dá bola para ele e vive começando e terminando namoros, bem adolescente mesmo. Ele e o primeiro Will foram meus personagens favoritos.

O livro é super leve e rapidinho de ler, ri muito com as falas do primeiro Will (parte do livro escrita pelo John Green). O outro Will Grayson é um tanto chatinho demais para o meu gosto e o fato dele narrar toda a história sem usar letras maiúsculas é um pouco irritante. Além disso, nenhum outro personagem dessa parte do livro me conquistou. Sinceramente, não acho que tentaria ler algo somente do David Levithan.

Se John Green lançasse um livro continuando a história do seu núcleo, com certeza eu leria.

Preço: R$19,90 no Submarino.

Este livro me ajudou a cumprir os itens 8 e 16 do 2015 Reading Challenge.

BEDA-2015

Aquela sensação de ter sido engolida

Sim, amiguinhos, essa é a minha sensação atual. Julho passou como um foguete, sem eu ter tempo ou disposição para fazer 20% do que eu queria. Entrei num ritmo alucinado de trabalho e, além da academia, mal consegui fazer alguma coisa além de sentar minha bunda aqui nessa cadeira e sair dela só depois das 21h, no mínimo. Sem tempo ou cabeça para pensar em blog, de ler ou assistir alguma coisa. Fui engolida pelo trabalho desenfreado e estou ilhada, sem saber de quase nada o que acontece no mundo.

Imagem: Disney
Imagem: Disney

 

Aí você me fala: “Mas Ana, você não saiu de agência justamente por causa disso?”. Pois é, saí. Mas também tem o lado: dessa vez, eu me permiti trabalhar esse tanto e estou trabalhando pra mim. Então é uma situação bem diferente de quando era em agência. Mas que tá puxado, tá. Eu tô aqui contando os dias para acalmar um pouco e tentar ter alguns dias de puro prazer. Na minha cabeça já tenho tudo planejado: uma viagem para o interior, uma tarde de sol lendo na beira da piscina do prédio, uma tarde inteira com meus pais, outra tarde papeando com amiga que não vejo há meses. Se isso vai mesmo acontecer num prazo tão curto quanto eu espero, não sei. Mas são planos. Hahaha. ;)

Enfim, esse é aquele post meio pedido de desculpas. Desde que o blog mudou de nome eu não dava uma sumida tão grande assim. Estou com o projeto dos 52 objetos parado, tenho coisas para resenhar, filmes para indicar, memórias para compartilhar. E é por isso que, mesmo atrasada, resolvi participar do BEDA (Blog Every Day August) que as meninas do Rotaroots propuzeram. Sim, você leu certo: blogarei todos os dias em Agosto. Já tô començando dois dias atrasada, mas prometo que esses dois posts vão ao ar durante o mês também. Tô arranjando sarna para me coçar, se eu não ando com tempo pra nada? Claro que tô. Tô preocupada de dar conta? Ô, cê não sabe o quanto! Mas sinto muita falta de escrever aqui, então tá aí uma linda desculpa pra me “obrigar” a isso.

Que agosto seja leve, amigos! É tudo o que quero. <3

PS: Sumi daqui, mas no Corre Mulherada! continuei postando. Inclusive, hoje tem post de reflexão por lá. ;)

BEDA-2015