adolescente

Meu canal favorito quando era adolescente

Não lembro o dia, só o ano: 1996. Minha irmã ia ser madrinha de casamento de uma amiga e foi até a 25 de Março para dar uma TV para os noivos. Voltou com uma para o nosso quarto, uma Sharp de 14 polegadas toda arredondadinha e bonitinha, com um botão brilhante pra ligar que eu quebrei no primeiro mês. E com ela veio a surpresa: a anteninha da TV pegava os canais UHF que a gente nunca tinha conseguido sintonizar direito lá em casa. E aí passeando por esses canais “novos”, dei de cara com a Sabrina de biquini na praia, ao lado daquele que seria meu eterno VJ favorito: o Gastão. <3

Captura de Tela 2013-09-30 às 17.54.27

Eu tinha 12 anos e não tinha TV a cabo ainda, coisa que só apareceria na minha vida em 1997. A internet era limitada aos finais de semana – como o sábado ao meio dia demorava a chegar!!!  – e aí, de repente, eu tinha um canal onde só passavam clipes e mais clipes de bandas que eu gostava de de outras que eu nunca tinha ouvido falar. Fiquei viciada e basicamente só assisti ao canal 32. Lembro de ficar esperando Swallowed aparecer no Disk MTV, foi assim que conheci Bush. Depois vieram os Racionais MCs ganhando prêmio no VMB e eu boba porque até aquele ano nunca tinha ouvido os caras na TV, só no intervalo da escola no walkman de algum colega. Racionais pra mim era coisa da gente, do bairro, de ir fazer trabalho depois da aula e ficar cantando junto. Quando que eu imaginava ver os caras na TV? Pois é, foi na MTV que vi isso acontecer.

Chegava em casa e ia repassar meu caderno à limpo (sim, eu copiava de novo toda a matéria só pra deixar o caderno bonitinho), deitada na cama e assistindo ao canal. Quando chegou a tv por assinatura lá em casa, pude assistir a MTV na TV maior. Afe, que delícia! Todo dia enrolava meu pai para assistir ao Disk MTV antes dele mudar pra algum telejornal. Até hoje lembro da minha felicidade quando, no meu aniversário de 15 anos, a Sabrina leu meu e-mail e me mandou parabéns. Assistia aos desenhos (adorava a Vacalática e a Daria!), ao Garganta e Torcicolo, ao Yo!, ao Barraco, aos programas do Massari e do Gastão… passei anos vivendo um caso de amor com a emissora.

Eu me imaginava trabalhando por lá. SEMPRE. Quando lançaram a revista deles, me imaginava mais ainda. Me identificava com aquele pessoal descolado, queria trabalhar num lugar tão descontraído quanto. Foi assim que passei a ter um pouco mais de personalidade pra me vestir, a não ter vergonha de usar um sapato mega colorido quando todo mundo só usava cor básica. Haha. Até hoje meus irmãos me descrevem como “a minha irmã emitivosa”. Hahaha.

Foi só quando entrei na faculdade que larguei o canal. Na verdade, trabalhando e estudando, não assistia praticamente nada na TV. Foi aí que parei de me identificar com a MTV, era aquela fase de programas comportamentais e eu já achava tudo muito teen pra mim. Só voltei a assistir um pouco mais quando fui morar com o Henrique e descobri que aos sábados e domingos rolava uma programação com ótimos blocos de clipes. Virou trilha sonora oficial do final de semana enquanto arrumava a casa.

E aí nesse último mês fiquei viciada no canal de novo. Com a notícia do “fim” do canal vieram os especiais com muitos VJ’s que eu adorava. Assistir os melhores momentos escolhidos por eles foi uma delícia. Relembrei muita coisa que assisti, muita banda que descobri, muitas risadas que dei. Foi bem divertido. Amanhã o canal é um “novo” canal, sem esses mais de 20 anos de história, mas provavelmente com o mesmo espírito jovem. Tô curiosa pra ver como vai ficar e ansiosa pra assistir à Astrid apagando as luzes da antiga fase do canal hoje, à meia noite.

Esse post saiu porque fiquei com vontade de falar um pouco depois que li esse post da Vic.

Andei lendo: Foras da Lei | Neil Gaiman, Nick Hornby, Jonathan Safran Foer, Clement Freud e Lemony Snicket

FORAS_DA_LEI_BARULHENTOSN_BOLHAS_RAIVOSA_1345561530P

Vou ser bem sincera: comprei esse livro pela beleza dele. Essa capa é linda, removível e por baixo tem a foto de um monstro verde com as palavras “me abrace”em baixo relevo. Por dentro, os contos são ilustrados. Cada um por um ilustrador diferente, duplando com os autores dos contos. Não sou fão de livro de contos, mas não resisti. Triste, mas verdadeiro. Hahaha.

O nome dos autores dos contos enche os olhos, é verdade: tem Nick Hornby, Lemony Snicket e Neil Gaiman. Não sou tão fã do Hornby (um beijo pros fãs que vão per falar COMO ASSIM?), nem do Snicket. Já o Neil Gaiman, por incrível que pareça, ganhou meu coração recentemente quando li a primeira parte de Coisas Frágeis (que ainda tenho que vir falar por aqui).

Os contos são bem juvenis, alguns meio sem pé nem cabeça demais pra mim. Só dois deles realmente me conquistaram.

Pequeno País é sobre um país tão pequeno que é do tamanho de um bairro. Tem time de futebol, mas só se todos os homens do país jogarem porque se não falta jogador. Bobinho, mas legal.

Grimble conta a história de quando os pais de Grimble viajam de surpresa para o Peru e como o menino se vira nessa semana. Gostei bastante, mas achei o final bem caído.

No geral, o livro é divertidinho. Pelo menos pra mim, que não consigo me apegar muito à personagens de contos, acho muito curto para eu me apaixonar por um personagem. Lição aprendida: tenho que evitar livros desse tipo, nunca me encantam muito.

Preço: R$27,96 no Submarino

Andei lendo: Quem é você, Alasca | John Green

QUEM_E_VOCEN_ALASCA_1291299317PMiles é um adolescente sem amigos. Ótimo aluno, filho único e apaixonado por biografias, ele coleciona últimas palavras.
Cansado da vida que levava, resolveu ir estudar no mesmo colégio interno que seu pai frequentou quando tinha sua idade e procurar por seu “grande talvez”.

Chegando lá, ganhou um colega de quarto (o Coronel) e um apelido: Gordo. Conheceu também a amiga super interessante e espevitada do Coronel, a Alasca. A turma se completou com Takumi e Lara.

Juntos, eles fumavam, bebiam, estudavam e se divertiam. O Gordo aprendeu a ter amigos e descobriu o que era fazer parte de uma turma, a amar e ser companheiro. Até seu primeiro beijo ele deu. Até que tudo muda (e aí você fica com cara de “COMO ASSIM, PÔ” enquanto lê).

John Green me conquistou quando li A culpa é das estrelas e só me fez gostar ainda mais de suas personagens com Quem é você, Alasca?. O livro é uma delícia, as personagens são encantadoras e a história é sensível e delicada. O homem entrou pro meu hall de autores favoritos. :)

Editado:

A Beatriz me deu a dica nos comentários e tô compartilhando aqui porque achei ótimo: o John Green publicou, em seu canal no youtube, um vídeo mostrando os lugares que descreveu no livro! No vídeo ele conta que ele era igualzinho ao Gordo e que usou como base os lugares que frequentava quando estudou em uma escola interna no Alabama.

Vale muito a pena assistir, principalmente se você já leu o livro:

Preço: R$20,61 no Submarino